Renascença/MG [BRA]

Atualizado em 04/05/2020
Nome Oficial Esporte Clube Renascença
Fundação  15/10/1941
Status Atual  Desconhecido
Endereço  Rua Botucatu, 177
Bairro  Renascença
Cidade  Belo Horizonte
Estado  Minas Gerais
CEP 
País  Brasil
Retrospecto  Clique aqui para ver todos os campeonatos com participação deste time
Localização 
Telefone 
Apelido(s) 
Mascote(s) 
Cores  Camisa e meias brancas e calção preto
Equipe Ranqueada  Renascença
Grafia Orig. 
Grafia Orig. Oficial 
CNPJ 
Site Oficial 
Estádios 
Juscelino Kubitschek (Barro Preto), Belo Horizonte/MG, Brasil
Raimundo Sampaio (Independência), Belo Horizonte/MG, Brasil
Otacílio Negrão de Lima (Alameda), Belo Horizonte/MG, Brasil
Antônio Carlos (Lourdes), Belo Horizonte/MG, Brasil
Histórico 
O Renascença era o time do bairro da Renascença, mas nunca disputou o Campeonato de Belo Horizonte. O clube disputou os Campeonatos Mineiros entre 1959 e 1967.

O Esporte Clube Renascença foi fundado por funcionários e pela diretoria da Fábrica de Tecidos Renascença em 15/10/1941.
Seu uniforme era camisa e meias brancas e calção preto. O escudo em forma de engrenagem tinha um R ao centro.
O estádio do clube que ficava no bairro tinha o nome de Cristiano Guimarães, mas era conhecido como "Eucaliptos". Era chamado de "time dos tecelões". Sua sede era na rua Botucatu, 177

Começou disputando as competições do futebol amador promovidas pela Federação Mineira de Futebol. Em 1947 construiu seu estádio e pediu inscrição no Campeonato da Cidade de 1948. O ingresso no certame era complicado, pois dependia da aprovação dos clubes . A inscrição do Renascença não foi aceita, pois temiam que os seus jogos causassem déficit nas arrecadações.

Em 1958 a Federação Mineira de Futebol aceitou a inscrição de diversos clubes, dentre eles o Renascença. Devido ao grande número de inscritos, houve a necessidade de se organizar um torneio eliminatório para definir as equipes que iriam disputar o Estadual. O Renascença perdeu a 8ª vaga para o Cruzeiro e ficou fora do certame. Em 1959, voltou a disputar o Torneio Classificatório e conseguiu uma das vagas para o Campeonato.

Disputou os Campeonatos Mineiros de 1959 a 1966, quando foi rebaixado para a 2ª Divisão.

Em 04/05/1966 o clube tinha uma dívida de Cr$ 20 milhões e cogitava extinguir-se. Em janeiro de 1967, a diretoria do clube decidir extinguir o regime profissional e transformou o Renascença em clube recreativo.

A maior glória do Renascença foi a conquista da Copa Belo Horizonte, uma competição que antecedia o Campeonato Mineiro e que era disputada pelos clubes profissionais da capital, mais uma Seleção Amadora. O Renascença venceu o Cruzeiro (2 a 0), o Sete (2 a 0), a Seleção Amadora (4 a 0), empatou com o América (0 a 0) e venceu o Atlético (2 a 0). O artilheiro da Copa foi o atacante Luis Carlos, do Renascença, com 6 gols

O time campeão do Renascença foi Tonho, Celso, Dalmo, Negrinho, Coelho, Zeca, Piazza (Grilo), Luiz Carlos, Rafael, Robson, Joãosinho. O técnico foi Gérson dos Santos.

O clube também conquistou o Torneio Início de 1963. Empatou com o Cruzeiro (0 a 0) e classificou-se nos pênaltis (3 a 2), depois empatou com o Siderúrgica (0 a 0) e também classificou-se nos pênaltis (9 a 8). Na final, empatou com o Atletico (0 a 0) e venceu nos pênaltis (9 a 6).

O time campeão foi Arésio, Sérgio, Grilo, Borges, Fernando, Piazza, De Paula, Jorge, Zimba, Miltinho, Robson.

O maior orgulho do clube foi ter revelado para o futebol brasileiro o goleiro Tonho e o meiocampo Piazza, que se tornou ídolo nacional com a camisa do Cruzeiro e da Seleção Brasileira.

Texto: Henrique Ribeiro
Títulos 
CompetiçãoQuantidadeTemporadas
Copa Belo Horizonte11961
Presidentes 
Hino 
Escudos na linha do tempo  Clique aqui para ver os escudos e sedes usados por este time na linha do tempo
Escudos Anteriores 
Uniforme(s) 
Mascote(s) 
Bandeira(s) 
Flâmula(s)